quinta-feira, 28 de julho de 2011

Nem tudo é como a gente quer...



"Muitos são os planos nos coração do homem,
mas o que prevalece é o propósito do Senhor."

(Provérbios 19:21)

domingo, 24 de julho de 2011

Ah! a vida...


A cada dia a vida tem me proporcionado aprendizados preciosíssimos... Um deles é saber dar valor aos pequenos momentos.

Como diria Shakespeare: "Aprendi que são os pequenos acontecimentos diários que tornam a vida espetacular."

Ótima semana para todos e um super abraço!

Silvia Elena



video

domingo, 17 de julho de 2011

Hoje logo pela manhã me lembraram que...


"Sou grande, forte, e capaz de muita coisa se acreditar nisso.”

... e eu ACREDITO!!!

Obrigada sempre pela força... amado e querido amigo!!!

Beijo do seu tamanho...

Silvia Elena

sexta-feira, 15 de julho de 2011

Jeito torto...


”E, de qualquer forma,
às cegas,
às tontas,
tenho feito o que acredito,
do jeito talvez torto que sei fazer”

(Caio Fernando de Abreu*)



* Caio Fernando Loureiro de Abreu (Santiago, 12/09/1948 — Porto Alegre, 25/02/1996) foi um jornalista, dramaturgo e escritor brasileiro.

Apontado como um dos expoentes de sua geração, a obra de Caio Fernando Abreu, escrita num estilo econômico e bem pessoal, fala de sexo, de medo, de morte e, principalmente, de angustiante solidão. Apresenta uma visão dramática do mundo moderno e é considerado um "fotógrafo da fragmentação contemporânea".


Fonte:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Caio_Fernando_Abreu

terça-feira, 12 de julho de 2011

Se queres...


Se queres sentir a felicidade de amar,
esquece a tua alma.
A alma é quem estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não em outra alma.
Só em Deus ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não."

(Manuel Bandeira*)



* Manuel Carneiro de Sousa Bandeira Filho (Recife, 19/04/1886 — Rio de Janeiro, 13/10/1968) foi um poeta, crítico literário e de arte, professor de literatura e tradutor brasileiro.

Considera-se que Bandeira faça parte da geração de 22 da literatura moderna brasileira, sendo seu poema Os Sapos o abre-alas da Semana de Arte Moderna de 1922. Juntamente com escritores como João Cabral de Melo Neto, Paulo Freire, Gilberto Freyre, Nélson Rodrigues, Carlos Pena Filho e Osman Lins, entre outros, representa a produção literária do estado de Pernambuco.


Fontes:
http://www.releituras.com/mbandeira_bio.asp
http://pt.wikipedia.org/wiki/Manuel_Bandeira

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Mais um dos inúmeros ensinamentos de Osho...


Perguntaram a Osho:

Sei que não sou meu corpo, mas ainda assim quero amar e ser amada. O amor espiritual é possível neste mundo apodrecido?

Este mundo não está apodrecido. Este mundo está repleto de Deus, ou, nas palavras de Buda, repleto de nada, o que dá no mesmo. Se alguma coisa está apodrecida, é a sua mente. E, sim, é muito difícil encontrar amor com uma mente apodrecida.

E nunca pense em termos de amor espiritual e material — amor é simplesmente amor, ele não é nem material nem espiritual. Como o amor pode ser material ou espiritual? Amor é simplesmente amor. Amor significa a alegria de compartilhar sua vida com alguém.

Sim, seu corpo e seu ser podem ser compartilhados, mas compartilhar é amor, não o que você compartilha. Compartilhar é amor; assim, todo amor é simplesmente amor.

Porém, posso perceber que o problema deve estar vindo de sua educação: Sei que não sou meu corpo... Quem lhe disse isso? Você é mais seu corpo do que sua mente. Você é mais seu corpo do que seu suposto eu. É isso o que Ikku está dizendo: que o eu é uma entidade falsa, apodrecida.

E a mente é apenas um fenômeno condicionado pela sociedade. Seu corpo é mais verdadeiro do que sua mente e seu eu; seu corpo pertence à existência.

Entretanto, você deve estar contaminada pelos sacerdotes, que dizem que você não é o corpo. Eles criaram uma dicotomia em todo mundo, que "Você é a alma, e como uma alma pode se rebaixar tanto a ponto de amar um corpo?" E por aqui você não encontrará fantasmas, mas pessoas que vivem em seus corpos, que são seus corpos.

É por isso que você não pode encontrar alguém para amar e ser amada — você está em busca de um fantasma. E se você realmente deparar com um fantasma não acho que você gostará dele. Mas você está ansiando por isso.

Foi-lhe dito para condenar seu corpo, e se você condená-lo e não gostar dele você acha que alguém vai gostar dele? Se mesmo você não gosta dele, quem vai gostar? Ao gostar de seu corpo e amá-lo, você cria uma situação na qual uma outra pessoa pode também amar o seu corpo. Mas você cria esse ambiente, esse clima.

Um homem ou uma mulher que odeia seu próprio corpo... e é assim que todos vocês, no fundo, odeiam, pois desde o princípio lhes disseram para odiar o corpo — o corpo é algo feio, não-espiritual. Foi-lhes ensinado que o corpo é o inimigo.

O corpo é o templo de Deus, e neste corpo vive aquele nada do qual Buda falou, vive aquela semente da iluminação que eu insisto em falar. Este corpo contém sua maior satisfação, contém Deus. Não o condene, do contrário será impossível.

(Osho, em "Vá Com Calma — Discursos Sobre o Zen-Budismo")



Fonte:
http://www.palavrasdeosho.com/2011/07/em-busca-de-um-fantasma.html

sábado, 2 de julho de 2011

Sentimento do dia de hoje...


Tudo é possível para quem acredita no infinito poder criador...

Abraço forte!

Silvia Elena